Fazendo parte do ensino de 1º Mundo da Engenharia Mecânica da UFSC desde 1974!





A criação do que atualmente é denominado LABSOLDA surgiu em consequência do contato estabelecido pelo Professor Caspar Erick Stemmer com o Professor Dr. Ing. Paul Drews da Universidade de Aachen. Este contato foi estabelecido por ocasião de sua viagem à Alemanha no final de 1972 visando estabelecer a possibilidade de um apoio internacional ao Departamento de Engenharia Mecânica. Segundo o Prof. Drews existiria a possibilidade de se obter um apoio do “Internationales Büro”, órgão do antigo KFA (Kernforshungsanlage) e hoje denominado Forschungszentrum Jülich (Centro de Pesquisas de Jülich). O Prof. Drews intermediou a conexão do Prof. Stemmer com aquele órgão do KFA. Como resultado inicial desta conexão, o Prof. Stemmer foi apresentado ao Eng. Egon Sigsmund, técnico de soldagem no KFA, exemplar profissional que atuou tecnicamente e com incansável dedicação na transmissão dos primeiros treinamentos nos equipamentos que vieram como doação do governo alemão por intermédio do citado Internationales Büro. Sem dúvida alguma o Sr. Sigsmund foi pessoa chave para o que hoje é o LABSOLDA.

Os equipamentos recebidos como doação do Governo Alemão por intermédio do “Internationales Büro”, foram ; uma máquina para o processo TIG e Eletrodo revestido da empresa Oerlikon (França), uma máquina para o Processo MIG/MAG da empresa Cloos (Alemanha), uma máquina de solda ponto da empresa ARO (França), uma pequena máquina para brasagem à chama com hidrogênio da empresa Alexander Binzel (Alemanha), uma pequena mesa giratória para soldagem de tubos, e artefatos diversos para chama oxi-acetilênica (equipamentos de última geração). Estes equipamentos chegaram no final de 1973.

Na época o LABSOLDA possuía dois equipamentos adquiridos no mercado nacional, sendo uma máquina de solda elétrica para soldagem com eletrodo revestido e um equipamento de solda oxi-acetileno. Era ministrada a disciplina de Tecnologia Metalúrgica com um pequeno conteúdo relacionado à soldagem, pelo prof. Almir Monteiro Quites.

A contratação do Eng. Jair Carlos Dutra em março de 1974, juntamente com a vinda dos equipamentos modernos, da Alemanha, acima citados, juntamente com o prof. Quites e a participação do Eng. Sigsmund, através de viagens frequentes ao Brasil, criaram um laboratório importante na formação dos alunos, futuros engenheiros mecânicos, mas também de apoio ao setor industrial na solução de seus problemas na área da soldagem.

As dificuldades foram muitas para manter em adequado funcionamento os equipamentos vindos da Alemanha, pois a estrutura da universidade não estava preparada para dar suporte às necessidades do laboratório. O Eng. Sigismund também prestava assistência na aquisição de amostras, peças de reposição e material de consumo, suprindo assim as necessidades do laboratório.

Estava criado o LABSOLDA, hoje uma instituição de referência no Brasil.

 

A seguir serão enumerados alguns marcos de destaque ao longo dos anos de existência do LABSOLDA:

  • A primeira dissertação de mestrado no Brasil em Tecnologia da Soldagem apresentada pelo Prof. Jair Carlos Dutra em1976,
  • Organização do II Congresso Latino Americano de Tecnologia da Soldagem, a publicação do livro Tecnologia de Soldagem a Arco Voltaico em 1979 pelos professores Quites e Dutra.
  • Na sequencia, um marco altamente relevante foi o apoio da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para a realização de cursos de especialização de engenharia de soldagem em 1981, 1982 e 1983.
  • Foi também da CNEN o apoio para o desenvolvimento dos primeiros protótipos de fontes de energia de soldagem em 1981, num trabalho multidisciplinar entre o LABSOLDA e o Departamento de Energia Elétrica.
  • O Doutoramento Sanduiche do Prof. Jair Dutra, finalizado em 1989, com período de estágio no Instituto de Automação APS da Universidade Técnica de Aachen RWTH, foi determinante no estabelecimento das bases das linhas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação adotadas pelo LABSOLDA.
  • Na evolução do LABSOLDA, não pode ser omitido o desenvolvimento, para a empresa TRACTEBEL- Energia (à época GERASUL), da tecnologia inédita para a recuperação por soldagem das partes erodidas de suas turbinas hidráulicas, trabalho que mais tarde culminou com a concessão da primeira carta-patente da UFSC.
  • Como subproduto da convergência destas cooperações e estratégias surgiram duas empresas, a IMC-Soldagem em 1992, fabricante de fontes de energia, e a SPS-Soldagem em 2001, na produção de sistemas de automação da soldagem.
  • 2007: Primeira patente do LABSOLDA e da UFSC – em parceria com a então Empresa Junior de Eng. Mecânica, o LABSOLDA obtém a primeira carta-patente outorgada à UFSC, com o título: Processo de soldagem MIG/MAG pulsado com pulsação térmica ou duplamente pulsado.
  • 2009: Cooperação Internacional - com a visita técnica ao ISF – Institut fuer Schweisstechnik und Fuegetechnik da Universidade Técnica de Aachen, Alemanha, no escopo do Doutorado do Prof. Régis Silva, se dá início ao programa de intercâmbio com este instituto, que tem proporcionado experiência internacional a diversos membros do LABSOLDA. A posteriori, somaram-se ao programa de intercâmbios do LABSOLDA com instituições alemãs, coordenado pelo mesmo professor, outros institutos e empresas daquele país.
  • 2010: Videografia de Alta Velocidade: inaugura-se no LABSOLDA a exploração da filmagem em alta velocidade, não apenas como ferramenta de P&D, mas também como objeto de desenvolvimento, como iniciativa do trabalho de pós-doutorado do Prof. Régis Silva. Culminou-se num salto nas investigações sobre física da soldagem e no posicionamento dos resultados obtidos em nível de referência internacional.
  • 2017: Manufatura Aditiva via Soldagem a Arco: o LABSOLDA se firma na Indústria 4.0 (Manufatura Avançada), com o início da Linha de P, D & I em Manufatura Aditiva.
  • 2017: Segunda patente do LABSOLDA: é outorgada a segunda carta-patente, referente à invenção: Dispositivo de Alimentação Automática tipo Caneta para Aplicação em Operações que Envolvam Adição de Material em Forma de Arame.